Scifiworld

Crítica a "Missing You"/"Neol gi-da-ri-myeo"

el  segunda, 11 setembro 2017 08:00 Escrito por 

A vingança serve-se fria.

A Coreia do Sul tem sido fértil em thrillers de vingança. Entre eles “Oldboy” e “I Saw the Devil” são os mais recordados, mas são vários todos os anos e bastantes com elevada qualidade. A receita mais fácil envolve um polícia e um criminoso, sendo que um deles quer, não apenas a morte, mas a destruição mental do outro. A criatividade não costuma ir muito além. Para “Missing You” a receita também era parecida. A polícia viu um serial killer escapar na justiça e ser apenas condenado a 15 anos de prisão. Assumem dois compromissos: toda a esquadra vai tomar conta de Hui-ju, a filha do seu colega morto por Ki-bum; e o detective Dae-young mantém a vigilância permanente para garantir que o sádico assassino das facas pagará pelo seu próximo crime. O problema é que, assim que Ki-bum sai da prisão, os cadáveres começam a surgir à sua volta. Todos com o mesmo modus operandi, mas não há uma única testemunha. Terá a polícia como o acusar, ou a única forma de deterem este fantasma é agindo fora da lei?

O elemento diferenciador no filme de Hong-jin Mo – um estreante – veio por acaso. A criança era suposto ser de sexo masculino, mas ao conhecer a actriz Eun-kyung Shim (que entrou em Train to Busan e Seoul Station e foi a protagonista de Miss Granny) deu uns retoques ao argumento para que ela pudesse ser a estrela. A actriz, que costuma ter personagens mais leves e alegres, é uma lufada num filme muito negro. E ainda que a troca simples do género das personagnes não costume ser interessante, aqui dá novas camadas ao filme. A sua personagem sofre como as outras, mas tem um ar alheado que acaba por ser uma estranheza agradável naquela linha ténue entre o bem e o mal.
A interpretação de Je-mun Yun não é extraordinária, mas o seu detective Dae-Young como rosto da autoridade supera as expectativas. A sua integridade, alternada com um puro ódio pelo criminoso, tornam-no humano e credível.
Kim Sung-Oh como assassino está incrível. O seu esforço de preparação para corresponder ao visual de alguém mentalmente perturbado - e ao mesmo tempo assustado com a possibilidade de ser condenado por algo que não fez – é um dos pontos fortes do filme. E depois existem ainda algumas surpresas e twists para manter a trama envolvente e fresca ao longo de quase duas horas. A duração parece curta para um filme coreano, mas está no ponto e as três personagens com estórias a contar conseguem o protagonismo necessário para serem relevantes, ainda que o assassino pudesse ter um pouco mais.

Com uma fotografia de qualidade e uma realização que vai disfarçando a inexperiência, “Missing You” é um regresso às temáticas que o realizador explorou enquanto argumentista no seu trabalho anterior, “Our Town”. Só que aqui a crueldade é tão eficaz como os vários golpes de faca. Não há violência gratuita, tirando a cena das garrafas, mas há muito sangue em mortes rápidas. Esse elemento diferenciador torna “Missing You” num título distinto e uma provável boa escolha para novo visionamento daqui a uns anos.

Deixe um comentário

Certifique-se que coloca as informações (*) requerido onde indicado. Código HTML não é permitido.

Mais Vistos

C/ Celso Emilio Ferreiro, 2 - 4°D
36600 Vilagarcía de Arousa
Pontevedra (España)

Redacción: 653.378.415

info@scifiworld.es

Sobre Scifiworld

Copyright © 2005 - 2017 Scifiworld Entertainment - Desarrollo web: Ático I Creativos